quinta-feira, 18 de julho de 2013

LÍNGUA PORTUGUESA



Neste soneto, o poeta declara todo seu amor e admiração pela língua portuguesa.

“LÍNGUA PORTUGUESA”

Última flor do Lácio, inculta e bela,
És, a um tempo, esplendor e sepultura:
Ouro nativo, que na ganga impura
A bruta mina entre os cascalhos vela…

Amo-te assim, desconhecida e obscura,
Tuba de alto clangor, lira singela,
Que tens o trom e o silvo da procela
E o arrolo da saudade e da ternura!

Amo o teu viço agreste e o teu aroma
De virgens selvas e de oceano largo!
Amo-te, ó rude e doloroso idioma,

Em que da voz materna ouvi: “meu filho!”
E em que Camões chorou, no exílio amargo,
O gênio sem ventura e o amor sem brilho!

Olavo Bilac (1865 – 1918)
- Vocabulário:

Lácio -  região na Itália central onde se falava Latim
Ganga – Impureza contidas nos minérios
Canglor – Som estridente de trombetas
Trom - Som de canhão
Procela –  tempestade
Arrolo – cantiga de ninar

Viço – Força, beleza

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Junto e separado

Junto e separado O som pode ser o mesmo, mas a grafia e o significado são diferentes. Confira! 1.Porquanto Não me separo de você porqu...