quarta-feira, 3 de maio de 2017

UM MOVER DE OLHOS



Este soneto compõe a figura ideal da mulher: delicada, submissa, discreta, sorriso brando.
Apesar de toda essa fragilidade aparente, ela consegue aprisionar o coração do poeta.

Um mover de olhos, brando e piedoso,
Sem ver de quê; um riso brando e honesto,
Quase forçado; um doce e humilde gesto,
De qualquer alegria duvidoso;

Um despejo quieto e vergonhoso;
Um repouso gravíssimo e modesto;
Uma pura bondade, manifesto
Indício da alma, limpo e gracioso;

Um encolhido ousar; uma brandura;
Um medo sem ter culpa; um ar sereno;
Um longo e obediente sofrimento:

Esta foi a celeste fermosura
Da minha Circe, e o mágico veneno
Que pôde transformar meu pensamento.

2 comentários:

  1. Este soneto foi composto por Luís de Camões ,homenageando Monalisa, a obra-prima de Leonardo Da Vinci, no período da Renascença.
    Na última estrofe, o poeta se refere a Circe, personagem mitológica da obra "Odisseia", do poeta da Antiguidade Clássica, Homero. (Professora Rita Helena Neves).

    ResponderExcluir
  2. Ótima lembrança, profa. Rita, obrigada!

    ResponderExcluir

Pronome relativo

Pronomes relativos Pronomes relativos são usados para retomar  um termo antecedente( já expresso anteriormente) Observe o exempl...